domingo, 5 de dezembro de 2010

Bem Vindos ao Inferno



Olá a todos, hoje sou seu anfitrião. Este é o momento pelo qual todos vocês temiam, bem vindos ao Inferno.

Vocês que se divertiram algum dia, exageraram um pouco na dose, secretamente odiaram alguém. Que beijaram escondido, transaram quando não podiam. Vocês que comeram demais, fofocaram.

Aqueles que adoraram a outros deuses, ou deusas, ou seres mágicos, ou nenhum deles. Enfim, a todos os habitantes da Terra, sintam-se em casa.

--

Então, você acha que adora o deus certo? Está certo disso? Bilhões de pessoas no mundo adoram deuses diferentes, e todos utilizam a mesma desculpa: fé.

Mas qual delas pode provar ser a sua mais válida do quê a outra? Seriam os cristãos, com a história de um deus encarnado que morre, mas não deixa nenhumam evidência de sua existência? Ou seriam os muçulmanos com seu profeta voando no cavalo? Seriam os hindús e seu deus-elefante, e cuja religião é mais antiga que as duas primeiras?

O "argumento da fé", tão comumente usado, é um belo tiro no pé. Por ele, nenhuma religião consegue ser mais verdadeira que a outra. Todas tem seus mitos, mas nenhuma prova-os mais verdadeiros.

Ora, e se os maçons estiverem corretos, ou os budistas? Refazendo a aposta de Pascal: e se ao morrer, você der de cara com um deus com cabeça de gavião? E se Osíris é o deus correto a ser adorado?

Alguém dirá: "Mas eu senti! Eu vi! Eu posso provar!". Pode mesmo? Um budista, ao passar pela mesma experiência que você, dará outra explicação. Por quê a sua é melhor que a dele? Você tem certeza que não passou por uma ilusão? Descartou todas as hipóteses possíveis, ou já assumiu a explicação padrão, "foi meu deus"?

Pensar não é facil. Assumir que não se sabe as respostas, e aceitar isto, é difícil. Assim fazendo, assumimos que somos humanos, limitados, e talvez nunca saibamos todas as respostas. Não somos o centro do Universo, e os acontecimentos do mundo não tem estreita relação conosco. Não há um tapeceiro, não há ninguém executando um plano detalhado, não há um propósito em tudo que ocorre. Desgraças acontecem, mas elas não tem um "motivo maior". Pessoas morrem, pois assim é a vida. Ela termina, é foda, injusta, dolorosa, mas é o destino de todos.

Podemos nem estar aqui em alguns anos, ou milhares de anos. Um meteoro pode chocar-se contra a Terra, e ninguém nos dará satisfação alguma.

Mas isso não torna a Vida algo deprimente. Ela é especial, única, e muito provavelmente rara. A consciência, nossas experiências são algo muito especial, e que valem a pena ser vividas e preservadas, sem medo, sem preconceito, sem dor, sem matanças em vão. Infelizmente, por causa desse medo primordial da morte, que nasceu com a consciência, muitos infligem o mal a outrem, e tornam a vida de muitos um verdadeiro Inferno na Terra.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...