domingo, 12 de outubro de 2014

É preciso cautela diante das pesquisas eleitorais!





Curioso como as pesquisas eleitorais andam falhando ultimamente?!

O fato é que, no primeiro turno de 2010, Dilma venceu o Serra com 43,1%. Já este ano, ela caiu para 37,7%, o que significa uma perda de 5,4 pontos percentuais. Isso é fato comprovado! Não é fruto de pesquisas e nem de projeções.

É certo que Aécio e Marina cresceram pouco em relação às eleições presidenciais passadas, comparando-se o PSDB com seu candidato anterior José Serra e a Marina Silva consigo mesma quando ela veio pelo PV. Só que os nulos e brancos dessa vez somaram 10,44%. Já a abstenção que, em 2010, fora de 18,12%, subiu em 2014 para 19,39%.

Pois bem. Vamos tomar o Datafolha como exemplo. Em 08/10/2010, nas pesquisas de segundo turno, esse instituto mostrou Dilma com 48%, Serra com 41% enquanto os brancos, nulos e indecisos somavam ao todo 11%. Este mês, logo após o primeiro turno de 2014, mostraram Aécio com 46%, o que seria um crescimento de 5 pontos sobre Serra, enquanto a Dilma só teria 44%, importando numa suposta queda de 4 pontos sobre os dados de 2010.

Realmente é curioso como que, em tão pouco tempo, Aécio teria crescido 15,7 pontos sobre o primeiro turno enquanto Dilma apenas subiu 6,3 pontos! Isso significa que o tucano teria aumentado uns 70% sobre os 21,6% que Marina e os demais candidatos tiveram no primeiro turno enquanto somente 30% foram para Dilma. Surpreendente, não? Entretanto, como a metade dos eleitores inscritos não votou em nenhum dos dois no primeiro turno, tem-se aí um sugestivo campo para ficções estatísticas.

Inegavelmente uma pesquisa precisa ser analisada por gênero, instrução, renda, faixa etária, religião, região, etc. Na verdade, o que os institutos podem fazer agora é avaliar os potenciais de migração de votos, nunca retratar a realidade.

Não dá para o Datafolha ir a um bairro de classe A de SP e entrevistar os eleitores do lugar como sendo eles representativos do país todo!

Ora, não estaria o Nordeste em sua maioria com Dilma?!

E o que esperar dos mineiros que acabaram de eleger um governador petista e que, certamente, não vão querer contar com a hostilidade de um governo federal tucano no repasse de verbas para o estado deles?!

Assim, é quanto aos potenciais de votos que os institutos precisam fazer suas respectivas avaliações, coisa que não pode ser concluída em tão pouco tempo. Por exemplo, aquele eleitor evangélico que, no 1º turno, votou no Pastor Everaldo ou na Marina tende a identificar no Aécio alguém representativo de seus anseios políticos. Mas nada impede que Dilma venha a fazer o mesmo na conquista desse voto sendo certo que temos aí quem sabe cerca de 1 milhão de eleitores considerando que nem todo crente necessariamente vai votar em quem o pastor mandou. E este é um terreno que, por experiência, posso dizer que é bem diversificado sendo um erro alguém falar generalizadamente "os evangélicos" (confiram o artigo Afinal, quem são "os evangélicos"? de autoria do Ricardo Alexandre e que foi publicado aqui dia 08/09).

De qualquer maneira, estamos diante de um quadro bem recente de modo que não podemos afirmar agora se será Dilma ou Aécio quem irá ser eleito(a). Se o candidato do PSDB possui uma curva ascendente e, supostamente, maior intenção de votos no momento, é preciso que a tendência se cristalize até dia 26. E, como bem escreveu o cientista político César Maia em seu informativo eletrônico, "a campanha eleitoral na TV e no boca a boca que provoca é que vai ajustando ou sedimentando esta reação inicial".

Por outro lado, temos hoje na sociedade brasileira um forte sentimento de mudança que é notadamente maior que em 2010. Neste cenário, pode-se considerar que essa tendência seria capaz de tirar muitos votos de Dilma, caso o eleitor venha a identificar Aécio com a renovação que o país necessita, mesmo tendo o PSDB já governado de 1994 a 2002. Só que, como as pessoas não votam em partidos, mas sim em candidatos, existe alguma chance para o Aécio assim como Dilma também pode vencer. E, neste sentido, pouco importa se o PSB, Eduardo Jorge, Pastor Everaldo, Eymael e até a própria Marina Silva declararem algum apoio político ao tucano porque não existe uma transferência automática de votos. Quando o cidadão entra na urna eletrônica da seção eleitoral e fica de frente para aquela maquinha, são as suas próprias razões/convicções que irão determinar o voto.

Que Deus ilumine a consciência do eleitor brasileiro!


OBS: Ilustração acima extraída da página oficial do Casseta & Planeta no Facebook.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...