sexta-feira, 23 de março de 2018

A virgindade vista nos tempos atuais com racionalidade



Há quem considere que, nos últimos vinte anos, a virgindade feminina voltou a ser valorizada na sociedade ocidental e muitos especulam que um dos motivos do comportamento possa ser a religião dentro de um novo contexto moral neoconservador. Tratar-se-ia da ideia de apenas fazer sexo só depois da realização formal do casamento, o que valeria tanto para mulheres quanto para homens, a ponto de se encontrar pessoas na faixa etária dos 30 anos que ainda são virgens, ou que já tenham transado mas se comprometeram consigo mesmas a ter novos relacionamentos sexuais somente quando entenderem que chegou o momento apropriado.

No entanto, tenho observado que o motivo da opção pela virgindade pode decorrer da própria liberdade sexual que hoje é melhor experimentada pela mulher das mais variadas formas, sem necessariamente estar relacionada a valores religiosos. E, apesar dos tabus ainda existentes quanto à sexualidade feminina, pode-se dizer que a mulher moderna está se tornando mais decisiva em conhecer o próprio corpo, ter a iniciativa de procurar o parceiro que ela deseja, fazer sexo quando e com quem ela quiser, não ter que se casar para ter um relacionamento sexual, assumir uma eventual homossexualidade ou bissexualidade, ter mais de um parceiro, assistir vídeos eróticos, adquirir brinquedos num sex shop, deixar fluir suas fantasias solitariamente ou num sexo não penetrativo e, simplesmente... não transar com ninguém até que ela queira.

Assim, longe de ser o estereótipo da mulher recatada e reprimida, podemos ter, na atualidade, uma profissional bem sucedida que curta amigos, baladas, viagens, porém decidiu se comprometer com si mesma em só transar com quem realmente sentir alguma coisa de verdade. Ou seja, é a figura da mulher que rejeita a ideia de transar simplesmente por transar ou para agradar o namorado/marido, podendo o comportamento ser adotado também por quem já teve uma ou várias relações sexuais.

Outra questão a ser discutida é sobre qual a idade ideal para alguém ter a sua primeira relação sexual dentro de um ponto de vista racional. E aí, levando em conta de que não existe uma idade certa para deixar de ser virgem, creio que tudo vai depender da maturidade emocional e psicológica da pessoa. E, neste sentido, embora do ponto de vista biológico o corpo humano já se encontre pronto para a sexualidade a partir dos 14 anos, em média tanto para homens quanto para mulheres, a adolescência não me parece ser o melhor momento.

Fato é que, no Brasil, justamente nos últimos 20 anos, a vivência sexual está se tornando cada vez mais precoce a ponto de 28,7% dos adolescentes aqui, entre 13 e 15 anos, iniciarem a vida sexual nesta faixa etária, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) de 2012, realizada com estudantes pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). E, por mais informações que hoje os rapazes e moças recebam nas suas escolas sobre como se prevenir de uma gravidez precoce ou do contágio de uma DST, há pouca consciência quanto à questão afetiva que deve ser a "motivação natural" para duas pessoas terem um contato sexual e íntimo. É o que explica o ginecologista e especialista em sexualidade Marino Pravatto Júnior, citado numa revista feminina:

"A gravidez indesejada é uma dessas possíveis consequências. Doenças sexualmente transmissíveis, outras. Além disso, a motivação natural para a primeira relação sexual deve um encontro afetivo. Não falo em idealização, mas de afeição, de atração física, de ideias e de valores, movidas por um sentimento que leva até o ato sexual." (destaquei)

Por sua vez, para a psicóloga e especialista em sexualidade Tatiana Presser, também citada na matéria, também inexistiria uma idade certa para transar pela primeira vez. Porém, a terapeuta não aconselha que as mulheres se casem virgens:

"Acho que a mulher tem que ter maturidade para isso, então a adolescência não é o melhor momento. Também não acredito que seja saudável casar virgem. Digamos que você tem que ‘experimentar antes de comprar"

Certo é que essa visão dos terapeutas, mesmo liberal, vai se contrapor ao comportamento ainda predominante em que a adolescente considera importante perder a virgindade como uma necessidade de auto-afirmação entre suas colegas da escola ou da vizinhança. É algo que tem se desenvolvido no meio social sem que haja uma consciência acerca da própria vontade.

Finalmente, há que se escrever um pouco sobre o tema quase ignorado da virgindade masculina, mas que carece muito de ser repensada sem os valores de uma sociedade machista. Aliás, até a sua conceituação pode se tornar discutível porque os homens não têm hímen e o sexo não depende do ato penetrativo para acontecer, podendo a pessoa chegar ao orgasmo na companhia da outra de várias formas.

Entretanto, se para muitas jovens costuma ser constrangedor assumir diante das amigas que ainda é virgem, mais embaraçoso se torna para um rapaz quando atinge a idade de seus 19 ou 20 anos e não teve uma experiência sexual dentro dos padrões convencionais com alguém do sexo oposto. E como para livrar-se do rótulo de ser "virgem" gera uma incômoda ansiedade, muitos quando vão ter a primeira relação sexual acham que, naquele momento, precisam de uma ereção forte e deslumbrante a exemplo dos atores de vídeos pornográficos, o que acaba sendo mais um equívoco. Além do mais, por não haver tanta compensação moral na sociedade ao homem por permanecer mais tempo em sua condição de virgem é que a maioria dos rapazes não costuma desperdiçar a chance de conseguir a primeira experiência, mesmo sendo algo meramente oportunista sem amor.

Ora, da mesma maneira que com a mulher o ideal é ter sua relação sexual num contexto de afetividade, o mesmo não poderia valer para o homem? E, neste sentido, se o momento ocorre com a namorada, ao invés de ser uma profissional do sexo ou com uma mulher experiente com quem ele terá um encontro casual, a compreensão e o respeito deverão prevalecer ajudando a superar quaisquer dificuldades no relacionamento íntimo, quer seja de um ou de ambos, sem a necessidade de mentir para o outro dizendo haver transado várias vezes antes.


Quanto aos primeiros atos sexuais entre um homem e uma mulher, ainda mais quando um deles é virgem, talvez não devam ser invasivos. As primeiras experiências poderiam ser através de carícias mútuas, abrindo-se a oportunidade para um conhecer o corpo do outro na descoberta das diversas zonas erógenas, partilhando onde e como gostam de ser prazerosamente tocados. Sempre num contexto de afetividade e de intimidade de maneira que vale a pena a espera pelo momento ideal para o sexo assim como para a relação penetrativa.

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...