segunda-feira, 15 de novembro de 2010

O Segredo da Inseminação Artificial - Confissões de Jesus de Nazaré na sua Infância.

Por meio de uma inseminação artificial e divina, fui gerado. Você doou o próprio esperma e preferiu ficar no anonimato, no esquecimento e sumiu tornando um desconhecido.

Quando eu me formava no ventre da minha mãe, durante nove meses, o futuro esposo dela não saia do seu lado. Mas você não estava lá... Para estreitar os laços de afeto comigo. Eu queria apenas receber o carinho das suas mãos e ouvir a sua voz ao falar comigo, mesmo eu estando lá dentro eu queria...,

..., eu queria o seu afeto mesmo estando no ventre da minha mãe. Quando sai do ventre, você não estava lá... Para me pegar nos braços e encher-me de segurança e proteção.

Quando eu disse as minhas primeiras palavras, você não estava lá para mim... Para ensinar-me o dicionário inteiro se fosse necessário. Quando eu dei meus primeiros passos, você não estava lá... Para me encorajar a prosseguir em frente.

Quando eu tive meu primeiro dia na escola dos profetas, você não estava lá... Para me dar conselhos. Não estava lá... Para me ajudar com meu dever de casa. Pergunto-me, onde tu estavas quando eu mais precisava? Eu posso suportar a falta do seu colo, mas eu nunca irei suportar a dor do meu coração pela falta de te conhecer, pois é o meu verdadeiro Pai.

Eu nem terminei a escola, e tenho que aprender carpintaria longe de ti. Chora minha alma, só em pensar que a única coisa que deixaste pra mim e a bíblia sagrada. Dizem que tu estás lá, mais aonde que não o vejo?

Ando cabisbaixo pelo corredor sentido a sua ausência. Acho injusto, pois todos os dias essa prática de inseminação artificial vem ocorrendo, e nós somos a última pessoa com quem todos se preocupam. Será que não entendem que eu não sou um objeto ou um bem pessoal. Saiba que eu sou um Ser, sem pecado, sujeito as mesmas paixões, mas apenas sujeito..., e tenho dignidade e respeito.

Será que não tenho o direito de conhecer o seu passado, e seus antepassados, e de onde veio? Mesmo assim, tive sorte, por ter sido criado no meio de um casal, homem e mulher, onde minha mãe é biológica e meu pai nem tanto. Não culparei minha mãe por ser a responsável por ter escolhido um doador desconhecido. De qualquer forma eu terei que pagar o preço.

Mas afirmo, tenho todo o direito de saber a sua origem. Eu não quero me intrometer em sua vida, apenas quero uma informação. Eu quero ver uma foto sua para ver como você é, apenas isso. Eu não quero invadir sua privacidade ou prejudicar sua vida de forma alguma. Só acho que nunca é tarde pra conhecer alguém.

Nunca é tarde...
... Espere aí!
Estou sentido algo que deste que fui gerado preenche o vazio do meu interior...
... E você Papai?
Sempre estavas comigo, e pela minha ignorância não tinha percebido...
... Eu te amo meu Papai!

Jesus de Nazaré (Confissões da sua Infância)
 Referência: Mc: 2.18-25; Lc: 2.41-52
(Uma História de Ficção nos moldes dos dias atuais)

Reflexão do Hubner Braz: 
 
Vejo as primeiras gerações de crianças nascidas através de inseminação artificial atingindo a idade adulta...
Vejo que muitos querem saber mais sobre como eles nasceram...
Vejo que eles estão à procura dos doadores e, em muitos casos, encontrando-os, muitas vezes contra a vontade do próprio doador “O Pai Anônimo”...
Vejo um grande infortúnio entre ambos. 

Imagens:http://1.bp.blogspot.com/Menino+triste4+conto+1.JPG
http://1.bp.blogspot.com//artificial-insemination-6.jpg
http://1.bp.blogspot.com/pai_filho.jpg

Fonte do texto está no Blog Confissões Insanas: http://hubnerbraz.blogspot.com/2010/11/o-segredo-da-inseminacao-artificial.html
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...