sábado, 7 de dezembro de 2013

Avestruz






Autor "convidado" Rubens Alves


Falam muito mal dos avestruzes, injustamente. Seus detratores, movidos por motivos inconfessáveis, declaram que aquelas aves são de estupidez sem paralelo. Dizem que elas, ao se defrontar com um leão, enterram suas cabeças na areia. Se assim eles se comportam é porque devem ser adeptos de uma antiga filosofia que afirmava que "ser é perceber". Raciocinam os avestruzes: se não percebo o perigo, o perigo não existe para mim. (traduzindo popularmente: "Aquilo que os olhos não veem, o coração não sente"). Continua o pensamento dos avestruzes: "Posso, assim, me comportar como se ele não existisse, desde que continue com a cabeça enterrada na areia". Tudo estaria bem se o leão não fosse de verdade. E o resultado é que o avestruz acaba na barriga do leão...Mas, como disse antes, eu não acredito que os avestruzes sejam assim tão estúpidos. Estupidez igual somente encontrei em exemplares da espécie Homo Sapiens a que pertencemos. O que provocou essa meditação foi uma conversa que tive com o dr. Augusto Rocha, que me falou sobre o curioso comportamento de pessoas que têm hipertensão arterial e se recusam a tomar remédio. Hipertensão é doença crônica. Sem cura. Para o resto da vida. Como o diabetes. Embora não possam ser curadas, as doenças crônicas podem ser controladas. Para isso, o doente há de aceitar uma rotina diária de tomar os remédios devidos. Se isso é doença crônica, podemos dizer que todos nós somos portadores de uma enfermidade crônica que, se não for tratada rotineiramente e diariamente, pode levar à morte em um mês. É a fome. E o remédio diário para ela é um bom prato de comida...O fato é que ninguém se esquece de comer. Mas alguns doentes crônicos se esquecem de tomar seus medicamentos. Na verdade, não creio que seja esquecimento. Segundo Freud, todos os esquecimentos são intencionais. Os portadores de doenças crônicas se "esquecem" de tomar seus medicamentos porque eles são adeptos da filosofia dos avestruzes. Acham que, não percebendo, a coisa não existe. Acham que ninguém pensa assim?
Tive um amigo, um homem inteligente de extraordinárias habilidades mecânicas que não ia ao médico de forma alguma. Alegava: "Não vou ao médico porque pode ser que eu tenha alguma coisa...". Não ia ao médico para não saber. Não sabendo, ele acreditava que a doença não existia. O leão existe mesmo quando fechamos os olhos...
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...