domingo, 14 de agosto de 2016

Viés de confirmação: Na verdade buscamos apenas confirmar as nossas certezas



Por Dag Vulpi – Postada originalmente em 15/12/2014

Eu gostaria de contar com a atenção na leitura dessa postagem, por principalmente aqueles que de alguma forma já tenham divergido das minhas opiniões e da forma como interpreto os fatos. Aos que possuem opiniões que normalmente convergem com as minhas estou certo de que nem será preciso fazer esse pedido, e o motivo para o qual faço essa observação, se auto- justificará com a leitura integral dessa postagem.

No artigo de hoje vamos falar de um assunto que é abordado no livro Manual de Melhoria, o viés de confirmação. Você sabe o que é isto? Muita gente não sabe, mas ele esta presente em quase todas as decisões que tomamos em nosso dia a dia. Sugiro também que após o fim da leitura você assista ao vídeo que está inserido no final desta postagem.

É normal do ser humano priorizar as informações que confirmem suas crenças ou hipóteses, independentemente de serem ou não verdadeiras. Como resultado, as pessoas colhem evidências e trazem informações da memória de forma seletiva, interpretando-as de maneira às vezes enviesada (tendenciosa). O efeito é mais forte no caso de assuntos que envolvem o emocional e nos casos em que se está lidando com opiniões fortemente arraigadas.

Nosso cérebro procura confirmar os desejos e crenças que temos o tempo todo. Assim, descartamos tudo que não tem a ver com nossas opiniões anteriores e nos atemos a sinais que confirmam o que acreditamos. É o que a ciência chama de viés da confirmação, um estudo feito na Universidade de Ohio demonstrou como ele funciona. A pesquisa mostrou que as pessoas passam 36% mais tempo lendo um ensaio que esteja alinhado com suas opiniões do que um que vá contra o que elas pensam.

É inerente ao ser humano tender a considerar apenas as informações que estão de acordo com nossas crenças. Seja quando lemos um livro, assistimos a uma notícia no telejornal, ou mesmo numa conversa entre amigos.  Nas redes sociais, onde cada um de nós pode encontrar milhares, ou milhões, de outras pessoas que concordam conosco, seu poder se amplifica enormemente. Inconscientemente absorvemos aquelas informações que fortalecem nossas crenças e rejeitamos aquelas que vão ao desencontro a elas, independentemente das evidências, das provas, do senso comum, e muitas vezes, até mesmo do bom senso. É a interpretação seletiva e tendenciosa da realidade de acordo com nossos desejos mais íntimos e crenças mais arraigadas. Todos agimos assim, em menor ou maior grau.

O vício em confirmação tem raízes no modo como as emoções funcionam: quando algo reforça nossas crenças, nos sentimos triunfantes; quando são desmentidas, nos sentimos frustrados ou até ofendidos.

Saber que o viés existe, que nossa “busca pela verdade” muitas vezes não passa de uma busca enviesada pela confirmação de velhos preconceitos e ideias pré-fabricadas, é só um começo — mas um começo importante, numa sociedade que convive com fortes emoções e opiniões polarizadas em questões como futebol, moral, religião e também, principalmente, na política.

Além de todos esses conceitos, tem também a impressão, a simpatia e muitos outros julgamentos que fazemos sobre coisas e pessoas, sem nenhum embasamento. Você vê alguém e implica. Não gosta. Talvez por razões subjetivas que nem você conheça.

Em geral, tudo o que lemos, as notícias que buscamos, as pessoas em quem acreditamos, são aquelas que reafirmam o que já pensamos. Primeiro você gosta ou não gosta da pessoa e, em função disso, você vai concordar ou discordar dela.

É muito mais fácil convencer alguém ao usar argumentos que têm a ver com a crença que a pessoa já possui do que propor uma revolução.

O viés da confirmação é realmente algo interessante. Mas há muitas outras demonstrações que provam  como é fácil vender mentiras por causa das associações sem sentido que fazemos. As pessoas tendem a acreditar que todo rico é inteligente (o que não é verdade), que todo famoso é correto (o que nem sempre é verdade), que todo político é corrupto (o que em alguns casos não se confirma), que toda pessoa bonita é boazinha (o que não tem nenhuma ligação).

Existem inúmeras ocasiões em que o viés da confirmação aparece, entre elas podemos citar dois exemplos:

Torcedores fanáticos por determinado time de futebol, que só leem ou acatam argumentos e informações favoráveis ao seu time, refutando todo o resto;
Partidários ou ativistas políticos que buscam somente informações que enalteçam os aspectos positivos do lado que estão, refutando inúmeros escândalos ou provas que demonstrem ao contrário.

Há diferenças insuperáveis entre o “conhecimento” e a “crença”: o primeiro tem a ver com a razão, a realidade e a avaliação criteriosa das evidências; a segunda tem a ver com nossas emoções e com aquilo que desejamos que seja verdade, independentemente das contradições e das evidências. O conhecimento é o filho da razão e a crença é filha de nossos desejos e temores. O conhecimento é amigo das provas e das evidências: admite falhas, muda e assim se fortalece; a crença só admite o que convém e lhe reforça. Algumas vezes a verdade é contra intuitiva e as relações de causa e efeito nem sempre são evidentes, mas a natureza nunca mente. Ela é o juiz supremo de todos os litígios do conhecimento.

Uma maneira bem segura de saber se algo em que acreditamos está sendo influenciado pelo viés de confirmação é saber o que a ciência e os especialistas dizem sobre o assunto. A ciência não é perfeita, mas teorias científicas são permanentemente revisadas e se autocorrigem, impedindo os efeitos nocivos do viés de confirmação. Se a ciência vai de encontro com o que pensamos, devemos entrar em alerta. Ela é e sempre será nossa melhor guia na busca do conhecimento.

Meu objetivo com este artigo, apesar de ter pedido no inicio do texto uma atenção especial daqueles que normalmente divergem das minhas opiniões, não foi o de tentar insinuar que algum dia estive certo por defender algum ponto de vista, mas sim, apresentar uma proposta que possa levar ao entendimento de que em quase tudo, por mais convictos que estivermos, ainda assim, sempre poderá existir mais de uma possibilidade. 

OBS: Imagem e texto extraídos do Blog Dag Vulp
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...