"Eu gosto do seu Cristo; o que eu não gosto é dos seus cristãos"


Isaias Medeiros

Por que o Cristianismo não deu certo? Ou, porque os seus seguidores se tornaram tão diferentes do seu fundador e os seus dogmas tão distintos dos ensinamentos do Rabi de Nazaré? Talvez, porque os que se apossaram das palavras de Jesus tenham sido exatamente as pessoas para as quais Jesus não se dirigia: os religiosos.

Seu público alvo não eram os líderes religiosos, ou aqueles que praticavam formalmente a religião. Quando falava a eles era sempre de forma crítica, mas como quem critica alguém que sabe que está errado, mas não dá o braço a torcer.

Aqueles para os quais o seu discurso era realmente direcionado eram os moradores de rua, as putas, os viados, enfim, todo o lixo que a religião excludente de sua época formava. Ele era sim o Jesus das prostitutas, dos mendigos malcheirosos, dos malandros e de todos quantos já se consideravam condenados e que por isso nem passava pelas suas mentes tentarem uma reconciliação com Deus; e consigo mesmos...

Hoje, os cristãos se identificam muito mais com os antigos fariseus, que pensavam agradar a Deus através de rituais, do que com aquelas pessoas imperfeitas, humanas, e por isso sempre carentes de perdão para quem o Cristo pregava. Tornaram-se assim indiferentes para o Mestre.

E por que O Filho do Homem desaparece definitivamente após os Evangelhos? Por que não são reproduzidas as suas falas nas famosas epístolas paulinas ou de outros apóstolos? O que aconteceu com aquele Provocador-mor? Suas palavras não foram fortes o bastante para ficarem marcadas no coração daqueles mais próximos a si, ou, justamente ao contrário: de tão fortes nunca foram plenamente assimiladas e  aceitas?

Suspeito que a sedução legalista os enganou. Sim, era mais fácil aderir a algo parecido com o que já conheciam do que abraçar a loucura dos ensinamentos do Cristo. Eles se renderam a segurança das normas, das hierarquias, dos rituais, pois nunca se desprenderam verdadeiramente da religiosidade vazia de sua época.

Atualmente, os evangélicos reproduzem o mesmo comportamento: com o passar do tempo se esquecem do personagem Jesus e passam a viver uma rotina religiosa, deixando-se involuntariamente entorpecer pela religiosidade, ou como eu gosto de dizer, pela cultura religiosa igrejeira. Então, já não há mais a consciência do dever de amar ao próximo, e sim o de comparecer aos cultos. O desejo de se santificar, no sentido de tornar-se uma pessoa melhor, é substituído pela busca paranóica pela "santidade" exterior, demonstrada nas vestes e em outros hábitos assépticos no intuito de "não se contaminar com o mundo".

Faço minhas as palavras do Gandhi quando disse que "gosta do Cristo, mas não gosta dos cristãos, pois eles são muito diferentes do seu Cristo". A multidão de "desigrejados", aqueles que não aceitam mais se colocar sob uma liderança religiosa formal não é culpa apenas da mentalidade pós-moderna. É reflexo de mais de dois milênios de mal-entendidos; de se remendar panos novos com velhos trapos teológicos; de se tentar armazenar o vinho novo da Graça nos odres velhos do legalismo.

Aos pensadores cristãos - ou ao menos sob forte influência de uma criação evangélica -, só  resta admirar ao Jesus que sobreviveu em suas mentes e corações, não obstante as pregações distorcidas que foram obrigados a ouvir por toda vida a seu respeito.

Quanto a mim, ironicamente cabe-me terminar um texto sobre Jesus citando, mutatis mutandis, o autor de "O Anticristo": "Cristo morreu cedo demais. Se ele tivesse vivido até a nossa época, ele teria repudiado a sua doutrina". Alguma inverdade?

Imagem: http://i.ytimg.com/vi/Jrwr7CHNYfQ/0.jpg

Comentários

Anônimo disse…
Excelente texto Isa (bom, não tem assinatura mas é tua vez),

Eu ainda pretendo escrever um texto destacando onde Paulo se diferenciou de Jesus, se aproximando assim, das religiões existentes em sua época.

Abraços,

Evaldo Wolkers.
Valéria Gomes disse…
Foi por causa dessa confusão, que renunciei as igrejas e religiões. As igrejas são frequentadas por faladores, pessoas que desconhecem a prática do bem, porque estão sentados em cima do rabo, jogando pedras nos que passam. Então passei a acreditar que estava dentro de mim, ou seja, Deus vem de dentro para fora, não de fora para dentro. Dessa forma entendi, que era minha responsabilidade, mudar o mundo em minha volta. Hoje, prefiro dar o exemplo, que cobrar das pessoas, que façam isto ou aquilo. Sou uma fiel admiradora de Jesus Cristo. Penso nele como um homem bom, de grandes iniciativas e que deixou para a humanidade, grandes exemplos de benevolência.
Perdoe-me a extensão do comentário!

Um abraço fraterno!!!
Giba disse…
Amigo Isaias, religião é a consequência de várias das guerras e conflitos, sendo o cristianismo um dos lideres deste seguimento.
Quando foi fundada a igreja católica, no concílio de Nicea, os religiosos profissionais tiraram o que lhes seria uma pedra no sapato e mantiveram o que seria conveniente.
Os cristãos esqueceram de seguir o que é mais simples e fácil na doutrina, viver em harmonia.
Enquanto isso, os grandes líderes religiosos vão adquirindo poder e status, enquanto os fieis vão se desgastando e adoecendo com seus conflitos.
Nunca vi uma guerra produzida por ateus, será esta uma mensagem?
Anônimo disse…
Evaldo

Obrigado, Evaldo. Quando tiveres mais tempo quem sabe possamos debater o texto, não é?

Abraço.
Anônimo disse…
Valéria

Olá, amiga, seja bem-vinda ao nosso blog coletivo.

Realmente, as igrejas estão lotadas de pessoas que se perderam na caminhada (como eles gostam de dizer). Trocaram sem saber o Cristo pelo pastor da igreja, e a caridade pelos rituais e pelos usos e costumes que em nada melhoram o ser humano.

Fica sempre à vontade para contribuir com os debates e não te preocupa com o tamanho ou a quantidade de comentários que tenhas que fazer. Eles são sempre bem-vindos aqui, do mesmo modo que a sua pessoa.

Abraço carinhoso.
Anônimo disse…
Giba

Olá, Giba, é um prazer ter o amigo "dihittiano" por aqui (risos).

Concordo plenamente contigo nestas duas colocações:

"Quando foi fundada a igreja católica, no concílio de Nicea, os religiosos profissionais tiraram o que lhes seria uma pedra no sapato e mantiveram o que seria conveniente"

e

"Enquanto isso, os grandes líderes religiosos vão adquirindo poder e status, enquanto os fieis vão se desgastando e adoecendo com seus conflitos".

Porém, preciso discordar do amigo quando diz que "nunca viu uma guerra produzida por ateus". Eu também nunca vi com os meus olhos (e provavelmente tu também não), mas a história registra pelo menos uma grande guerra (a 2ª Guerra mundial) onde um país ateu (URSS) foi um dos mais atuantes.

Além disso, China, Cuba e Coréia do Norte não são exatamente "exemplos de democracias", digamos assim. E são todas comandadas por ateus...

Mas, como o assunto aqui não é política, deixemos isso de lado.

O que importa é que entendesses o espírito do texto no que se refere à apropriação dos ensinamentos do Cristo pelos 'religiosos de carteirinha', o que resultou numa religião muito mais formal do que prática, ao contrário do que desejava o seu fundador.

Um forte abraço, e seja sempre bem-vindo!
Guiomar Barba disse…
Isa, seu texto denuncia uma realidade cruel, inegável. Eu entendo que, cada pessoa que tem a luz dessa realidade deve viver os ensinamentos do Sermão do Monte, que ao meu ver resume tudo o que Jesus desejou ardentemente passar para toda a humanidade.

Faz alguns anos que eu não sou membro de nenhuma igreja, no entanto não seria por causa da qualidade de líderes que dirigem hoje a maioria das igrejas evangélicas.

Eu creio que, quem tem luz deve tentar, pelo menos, iluminar outros e existe muita gente dentro das igrejas em busca de uma visão clara do verdadeiro cristianismo. O pastor não deve ser a pedra no meu sapato, e sim o amor, a minha motivação para estar em uma comunidade e ser luz.

Esta sempre foi a minha maneira de ver.
Amei seu texto. Abraço.
Anônimo disse…
Guiomar

Fico feliz por termos finalmente nos entendido! (risos) Que bom que gostasse do texto.

Veja bem. O texto em si não quer dizer de modo algum que alguém deva sair das igrejas e/ou que deva fazer isso por causa das pessoas que estão dentro delas ou que as lideram.

O que o ensaio faz é uma crítica an passant à metamorfose negativa que os religiosos sofrem do momento em que "aceitam a Jesus" até aquele em que se esquecem dos ensinamentos DE JESUS (não de Pedro, Paulo ou Joaõzinho) e passam a viver uma rotina religiosa de ida aos cultos, congressos, círculos de oração etc etc etc. Ou seja, passam a vivenciar a religião-pela-religião, ou, a religiosidade vazia que não conduz ninguém a lugar algum.

Devemos tentar ser "luz"? Sim, mas de preferência com atitudes que partam do nosso interior, e não através de estereótipos consagrados pela tradição.

Beijos.
Eduardo Medeiros disse…
Isa, vamos analisar um dado interessante. Esta é a sequência em que foram escritos os livros do NT:

1ª. e 2ª. Tessalonicenses; Gálatas, Efésios, 1ª. e 2ª. Coríntios, e Romanos; Colossenses, Filemom; Filipenses, 1ª. e 2ª. Timóteo e Tito; 1ª. Pedro; Marcos; Mateus; Hebreus; Lucas; Atos; Tiago, Judas, 1ª. 2ª. e 3ª. João; o evangelho de João, 2ª. Pedro; e Apocalipse.

Os livros mais "pesados" teologicamente de Paulo foram escritos antes do primeiro evangelho que foi o de Marcos. O Evangelho de João foi um dos últimos logo antes de 2 pedro e de apocalipse.

Isso nos diz alguma coisa? Deixo para vocês pensarem a respeito.
Anônimo disse…
Edu

Sim, me diz muita coisa, Edu. Os evangelhos podem ter sido escritos depois, mas os fatos "evangélicos" se deram antes.

Queres dizer que os próprios evangelhos sofreram a influência de Paulo, ou que o que Paulo pregava não era tão diferente assim do que Jesus ensinava ou que Paulo simplesmente não sabia o que Jesus havia pregado?

Existem diferenças gritantes entre o que o Jesus disse e o que Paulo escreveu. E se os evangelhos tivessem sido redigidos sob a influência de Paulo não haveria hoje quem levantasse a hipótese de o cristianismo ter se tornado um "paulismo", pois não haveria como fazer uma comparação. Eu ainda vejo dois evangelhos distintos: o de Jesus e o de Paulo.
Anônimo disse…
Isa,

Quando digo que o texto é EXCELENTE, significa que não tem nada para DEBATER.

Abraços,

Evaldo Wolkers.
Anônimo disse…
Tá bom então, obrigado.

Abraço.
Eduardo Medeiros disse…
ISA, os Evangelhos e o Jesus histórico são os temas bíblicos que mais eu estudo. Essa diferença entre o que Paulo e os Evangelhos é muito interessante. Ainda não vi nenhum autor abordar profundamente essa questão.

Antes dos sinóticos, Paulo já tinha construído suas doutrinas da graça, da morte vicária, da parousia, etc. Porque os Evangelhos omitiram todas estas doutrinas?

A bem da verdade, mesmo nos sinóticos, os pesquisadores apontam construções posteriores que não remetem a Jesus. A verdade é que do Jesus real, histórico, sabemos muito pouco. Talvez a maioria dos ditos na boca de Jesus não tenham vindo exatamente dele mas foram construídos a partir dele, pelos editores dos evangelhos. Mesmo porque se lembrar literalmente de suas palavras ditas a mais de 40 anos (no caso de marcos) seria impossível. Temos que notar que nenhum dos seus discípulos tinham um diário durante seu ministério.

A distinção entre o "evangelho de Paulo" e os sinóticos é evidente. É importante questionar porque foi Paulo e não Pedro, por exemplo, a desenvolver toda a teologia que paulo desenvolveu. aliás, as cartas de Pedro são "ridículas" em valor teológico se comparadas por exemplo, com Romanos.

É quase certo que o Jesus histórico jamais pregou que a sua morte seria para perdoar os pecados e salvar a humanidade. Mas porque, mesmo Pedro, em sua primeira epístola diz: "com efeito, também Cristo morreu uma vez pelos pecados...a fim de vos conduzir a Deus" (3.18)

Tem alguma coisa aí que não bate muito bem...

Evaldo, não tem o que discutir????
Anônimo disse…
Edu

Mas a razão principal de Paulo e não Pedro ter sido o grande teólogo do Cristianismo(?) não foi exatamente o fato de o primeiro ter sido um Doutor da Lei, enquanto o último um pescador?...

Que havia/houve conflitos entre os dois - a "pedra" designada por Jesus, e o construtor de alguns dos principais dogmas cristãos -, isso a própria Bíblia relata. Acho que a cabecinha daquele pobre pescador passou por sérias turbulências por causa dos escritos de Paulo. Ainda mais tendo na consciência o peso de três traições consecutivas...
Anônimo disse…
Edu,

Estou meio cansado disto tudo (acho que vai passar), mas, o problema é discutir o que Paulo, Pedro, Joana disseram se nem sabemos se realmente foram eles que disseram.

Ao conhecer um pouco da história dos "pais" desta joça toda fico mais desanimado ainda, pois, está na cara que é tudo uma "montagem", tudo em benefício de "aproveitadores".

No momento não faz muito sentido para mim dizer que Paulo disse ou Pedro disse, mas, está mais parecido com o que "disseram que Pedro disse", ou, "o que disseram que Paulo disse".

Por exemplo, hoje posso ler um texto escrito por você e saber que foi você quem escreveu, isto é diferente.

A cada dia que leio sobre outras crenças e povos me deparo com grandes similaridades ao "Evangelho".

A Bíblia, principalmente o NT está me cheirando uma compilação de crenças, mitos, costumes dominadores e tantas outras coisas humanas e sub-humanas, que, de divino não tem mais nada praticamente.

Não, sei, sei não.

Abraços,

Evaldo Wolkers.
Gresder Sil disse…
Em um ponto eu concordo com o Ewaldo, isso realmente cansa, pois tais investigações não tem fim e a cada camada que tiramos para redescobrir sobre o jesus cristificado, mas percebemos que estamos distante do homem jesus.

Agora me diga uma coisa Eduardo, porque o grande “vilão” da historia é Paulo, porque não João que fez o evangelho mais subjetivo e menos historicidade de todos?


Isaías concordo plenamente que jesus tenha se dirigido especialmente para os marginalizados da religião, notem bem que ele sempre fala de humildes de espíritos, homens feitos como crianças, doentes espirituais, pobres, os últimos, os que se perderam, e os pequeninos deste mundo.


Hoje depois do trabalho eu acordei de um cochilo “ateu”, e mais uma vez reverifiquei que um homem adulto não precisa crer em Deus para poder ser feliz. E por isso penso que jesus quis dar uma esperança para os que nada tinham e para os que precisavam crer para viver. Pois os religiosos tinham tudo, e Ele não tinha vindo para os sãos mas para os doentes deste mundo.


Da mesma forma que Ele pode ter dado sentido e valorização aqueles que acreditaram Nele, os discípulos também fizeram suas construções e interpretações em cima do que Ele disse para manter a fé, esperança e felicidade daquela nova religião que avia se formado em volta do rabi da galileia.
Levi Bronzeado disse…
Tenho a impressão que o objetivo fundamental dos evangelistas não era o de realizar uma compilação histórica da vida de Cristo, mas sim o de fazer a disseminação da fé.

O conteúdo evangelístico não prima por uma precisão biográfica do principal personagem, e se atém a relatos fortemente condicionados pelas necessidades da difusão da crença no meio do império romano.

É fato inegável, que esse Homem, corroborando com o que escreveu Gresder,
estimulou uma nova moral de fraternidade, bondade e decência em meio ao vazio de um paganismo agonizante.

Ao proclamar as bem aventuranças, humanizou e dignificou a pobreza - fato este, que os teólogos da prosperidade da atualidade torcem o nariz.

Ele, Cristo, não pregou a mudança das condições de vida das camadas sofredoras, antes, disse aos seus seguidores: "No mundo tereis aflições" - que o evangelho da "Vitória em Cristo", mundanamente trocou por esse horroroso jargão comercial:

"NO MUNDO TEREIS AVIÕES"
Eduardo Medeiros disse…
Evaldo,

"A Bíblia, principalmente o NT está me cheirando uma compilação de crenças, mitos, costumes dominadores e tantas outras coisas humanas e sub-humanas, que, de divino não tem mais nada praticamente."

Você achava que era diferente disso? A Bíblia é exatamente isto. Coisas espirituais ditas em palavras "materiais". Tudo é interpretação.

Nenhum livro da bíblia é da autoria de uma única pessoa. São muitas mãos trabalhando e um redator final que junta tudo e dá(ou tenta) sentido ao todo.

Os Evangelhos por exemplo, são uma colcha de retalhos...mais isso, que aos nossos olhos pode significar coisa menor, para o tempo em que foi escrito é absolutamente normal.

O que está escrito é fruto da tradição oral, da interpretação da tradição oral, da visão de cada grupo...A Bíblia é um livro "impossível" (no bom sentido).

Mas a Bíblia continua sendo para mim, meu livro predileto. Ela é um "milagre literário".

GRESER, o Jesus de João está bem mais perto de Paulo do que o Jesus de Marcos.
Eduardo Medeiros disse…
Levi, pela primeira vez em todo esse tempo que trocamos ideias, eu terei que discordar de você.

Sua frase, "Ele, Cristo, não pregou a mudança das condições de vida das camadas sofredoras,"

Creio que seja exatamente o contrário. Mas volto amanhã para terminar.
disse…
Olá cheguei, que tipo de rituais vcs estão falando?
Marcio Alves disse…
Até que ponto os evangelhos são confiáveis?
Se existiam mais de 500, porque apenas 4?
Porque justamente esses 4 e não outros?
Como podemos ter certeza que o evangelho escrito por Mateus – por exemplo – foi mesmo escrito por Mateus?

Não é de se estranhar que Jesus se realmente foi “Jesus”, tenha se omitido sobre a escravidão?
Ou Jesus não era “Jesus”, ou então os discípulos foram influenciados pelo império romano e não registraram – muito pelo contrario, em certas cartas, como a de Pedro, eles apoiaram a escravidão – , ou então não foi nem os discípulos que escreveram os evangelhos.

Quais eram, ou quem era mais beneficiado com a apologia de Jesus aos pobres, marginalizados, oprimidos, fracos, doentes e mansos, dizendo que “bem aventurado o são, e que herdarão o reino de deus”?

Até que ponto o mito “Jesus” – embora também o fosse real – foi apenas mitologizado por uma questão apenas “espiritual e religiosa” e não como uma jogada (também?) de poder?

Fato é que Jesus sempre será discutido, teologizado, crido ou descrido, dogmatizado, admirado ou rejeitado, mas nunca totalmente desvendado.
Anônimo disse…
Edu,

Acho que não fui bem claro.

O ponto central está na minha frase "de divino não tem mais nada praticamente", pois, pelo diálogo transcorrido até agora ainda existem pessoas como você que querem dar uma "pitadinha" de divindade nisto tudo.

Tudo que escrevi realmente já estava entendido perfeitamente, mas, apenas tentei expressar a inutilidade de ficar dizendo "Paulo disse", "Pedro disse", "Jesus disse", se sabemos que são retalhos, remendos e costuras, porque ainda nos atemos aos nomes fictícios de seus autores.

Foi isso que tentei dizer.

Abraços,

Evaldo Wolkers.
Hubner Braz disse…
ISA,

Concordo com o seu texto, está definitivamente ótimo. Sabendo que não devemos generalizar os "cristãos" pois, ainda tem aqueles semelhante a Policarpo.

Fora isso, o seu texto está condudente aos acontecimentos do cotidiano.

Parabéns...
Levi Bronzeado disse…
Caro Edu

OPS!
"Mudança nas condições de vida"(ironia) - aqui eu me refiro ao que Silas, Macedo, etc, pregam. Ou melhor: cobram (rsrs)

Abçs,

Levi B. Santos
Eduardo Medeiros disse…
Evaldo, ok. Mas para mim, é exatamente essa natureza fragmentária dos evangelhos que motivam a pesquisa e a discussão sobre eles(é claro, para quem se interessa pelo assunto).

Vejo pitadinha do divino nos evangelhos, nos vedas, no Corão...por divino, entenda-se que os livros sagrados das religiões foram escritos através do foco do divino segundo o que cada um deles entenderam sobre o divino.

valeu, Evaldo.
Eduardo Medeiros disse…
Levi, agora tudo está claro! rss
Guiomar Barba disse…
Isa entendi seu ensaio perfeitamente, lamento no entanto, que um grande número de pessoas após se libertam da caverna, esquecem aqueles que continuam vendo apenas sombras. Beijão.

Levi, concordo com você plenamente,ainda mais depois da explicação sobre: "Ele, Cristo, não pregou a mudança das condições de vida das camadas sofredoras,"

Assustei quando li, sabia que você tinha outro discurso sobre o assunto. Abraço.
Anônimo disse…
Hub,

Em sociedades primitivas o sexo era algo "sagrado", com o desenvolver de uma sociedade dominadora masculina, o sexo e a mulher foram transformados em "perigosos", sendo assim, até a própria manipulação dos órgãos sexuais por prazer se tornou "pecado".

A punição maior partiu para a mulher, onde até hoje existem povos (Religiões?) que removem o clítoris da mulher para que ela não sinta prazer.

Existem duas coisas que SEMPRE estiveram e vão estar presentes na história da humanidade: sexo e religião.

Agora, quanto a ser ou não pecado para mim não interessa mais.

Este "Deus" que mata um monte de gente porque seu "servo" Davi resolveu contar quantas pessoas faziam parte de sua tribo. Este "Deus" que mata uma criança (o filho de Davi) devido a um erro de seu "servo" Davi. Não tem cacife nenhum para definir o que é pecado ou não.

Resta a mim explicar para você que Onã NÃO SE MASTURBOU, Onã fez sexo com a mulher de seu irmão, conforme era obrigado, porém, na hora de ejacular, retirava o pênis e gozava no chão.

Sendo assim brother, Onã foi castigado por Javé por não perpetuar a espécie (rsrs), ou seja, de não dar um netinho para seu pai.

Abraços,

Evaldo Wolkers.
Levi Bronzeado disse…
É isso mesmo Evaldo, sexo e religião eram tão inimigos na cabeça dos profetas, que as suas mentes não admitiam que o Messias poderia vir através de uma cópula prazerosa entre um homem e uma mulher.
...Aí criaram toda aquela história ridícula da partenogênese de Maria.

E ainda há fundamentalistas que para firmar a sua fé, necessitam do engodo ou amuleto da inseminação espiritual, para acreditar que Cristo era Filho de Deus. (rsrsrs)

Até o tarado do Davi que transou com a esposa de Urias, desavergonhadamente, depois de mandar matá-lo, ainda teve a ousadia de dizer: "Minha mãe me concebeu em pecado", como se sexo (o que ele mais fazia) fosse coisa imunda.
Eduardo Medeiros disse…
Evaldo, você devia, segundo minha opinião, dizer assim: "este Deus conforme interpretou os antigos israelitas", pois do outro jeito, você absolutiza o Deus do AT como real e isso, sabemos, não corresponde à realidade.

No caso de Onã você está certo; ele praticava o famoso "coito interrompido" para não dar herdeiros ao seu irmão conforme mandava a lei do clã à época. O Escritor viu nisso uma afronta ao costume social e pôs Deus o matando por causa disso.

Mentalidade primitiva, dá um desconto...
Levi Bronzeado disse…
Estás certo Eduardo

Mentalidade primitiva, necessita de um grande desconto.

O grande nó da questão é que o fundamentalista não aceita o desconto, porque vai de encontro a sua fé, que é fundamentada na literalidade bíblica sem tirar um til.

Para nós que fazemos releituras e desconstruções das histórias bíblicas, os fundamentalistas ameaçam com o final do livro de Apocalipse:

"Quem tirar quaisquer palavras do livro dessa profecia, Deus lhe tirará a sua parte do livro da árvore da vida e da cidade santa"

Convertam-se LEVI, EDUARDO e EVALDO, antes que seja tarde. (rsrs)
Levi Bronzeado disse…
Prezada Guiomar Barba


Estou bastante satisfeito com sua presença e seus comentários aqui nessa "Nau dos Loucos" (rsrs)

Quero na oportunidade revelar aos pensadores fora da gaiola, que já conheço a amiga Guiomar, há mais de três anos, quando começou a interagir com seus lúcidos comentários lá no "Esaios & Prosas".

Ultimamente tem se tornado assídua nesse nosso recanto do Google, dando as suas opiniões e fazendo as suas críticas construtivas.
Quem sabe, se o seu nome não será posto na galeria dos C.P.F.G. em um futuro próximo?

Seja sempre bem vinda, Guiomar


Abçs fraternos


Levi B. Santos
Anônimo disse…
ISA,
MiguxoOOo do meu s2!

Excelente artigo, ao qual concordo plenamente!

Jesus, o refúgio para os oprimidos...sejam eles: prostitutas, mendigos, miseráveis, etc...

Creio que Jesus além de uma "figura" humana, veio como um "símbolo" de protetor para estes "refugiados", pois, desde décadas passadas o pré-conceito foi dominante, e uma grande parte via estes pobres coitados com olhar de indiferença, de desprezo...de "NOJO"...coisas que os impediam de se aproximarem destes seres famintos de amor......

Então apareceu Jesus, e este tentou mostrar para o mundo que o amor está nos feitos e não somente nas palavras teóricas, como muitos ensinamentos religiosos se tratavam de impor...

Ele mostrou que o pão pode ser divido, que uma mão pode ser estendida, que o amor está naquilo que você faz de bem para o próximo...

Pensando, reflito que se não fosse este "estereótipo Jesus" para analisarmos hoje, e refletirmos mais sobre os atos de amor...... quem de nós seria a "chave" para abrir o caminho para as boas obras??!! Quem de nós, iria por si só, tomar a primeira iniciativa e decisão de "remediar" as feridas dos oprimidos??!!

Ninguém é capaz de puxar a fila neste mundo, todo mundo se contenta em ficar com os braços cruzados, esperando que "venha só a nós, e ao vosso reino"....Santa hipocrisia de um mundo que nem sei o que pensa!

Ninguém está afim, de andar pela rua com um homossexual ou com uma prostituta, porque infelizmente, é FATO que no outro dia todos estarão o julgando de HOMO também...de prostituta....pois é assim que funciona...

Por exemplo, se eu andar com uma garota prostituta todos os dias, como vou provar para os outros que eu NÃO faço programas...?? É dar murro em ponta de faca, pois ninguém importa com os MEUS argumentos, eles apenas pensam em si, no seu bem estar e criticam mesmo ...e ignoram mesmo os outros, pois o mundo está se tornando egocêntrico...o mundo está ficando ilhado, onde cristãos estão se fechando num círculo, e que se "fodam" os "desviados".....(desculpem o termo, estou ficando REBELDE..kkk)

Mas estes "crentes" religiosos fanáticos por suas igrejas, ouvem 24 horas falar de amor, mas nunca plantaram o amor de Cristo Jesus...

Pois, o amor de Cristo está nos atos...

Quando todos perceberem que é olhando um irmão ao seu redor, que é ajudando quem precisa, que é estendendo uma mão que estarão cultivando um ato de amor, é que as coisas vão começar a mudar..

Até então, eu assisto o palco de sofrimento, que está ao meu redor, pois mesmo fazendo tudo o que posso fazer, ainda não farei nem metade do que o mundo precisa....pois não somos UM, mas somos uma MULTIDÃO...

E até quando este povo vai ficar sentadinhos, engomadinhos nas igrejas..esperando por seus milagres, sem levantar a bunda daquele banco e começar a plantar frutos de boa ação?? e transformar as suas fés em obras??!!

Beijocas e chokyto!!
Anônimo disse…
ERRATA: Onde está escrito "o pão pode ser divido"....leia-se "o pão pode ser dividido"
Anônimo disse…
Tem dias que me bate uma saudade deste cantinho, e me dá uma vontade de voltar com as minhas malas de rodinha...kkkkkkkkkkkkkk....

Amo vocês.
Anônimo disse…
Só uma "breve palavra" (risos).

Eu estou muito satisfeito com o Jesus apresentado na Bíblia pelos evangelistas. Não preciso crer que tudo o que foi atribuido a ele de fato ocorreu de maneira literal, mas também não duvido de que ele fosse capaz de realizar milagres. O sobrenatural é um fato, quer queiram, quer não.

O meu humilde texto (redigido na madrugada da manhã em que foi publicado) não quer questionar a veracidade do que se fala do Jesus nos quatro evangelhos "oficiais". Ele quer sim dizer que este autor - à exemplo de figuras notáveis, tal como Gandhi - admira aquele personagem, só não gosta das profundas modificações que foram feitas à posteriori por outros "seguidores" seus e que destoam do que está relatado nos livros citados acima.
Anônimo disse…


(Antes tarde do que nunca)

Os rituais aos quais estamos nos referindo se tratam das liturgias, dos cultos, congressos, abstinências, jejuns etc. Que por si só não fazem alguém melhor ou com uma espiritualidade mais elevada.

Abraço.
Anônimo disse…
Obrigado a todos os que leram o texto e comentaram, assim como àqueles que "não tiveram tempo pra ler" pois estão ocupados demais lendo suas próprias postagens e comentando em seus próprios blogs.

Saudações aos confraternos, aos visitantes e aos habitantes do "Mundo-Umbigo".
Anônimo disse…
E cada um coloque o chapéu que melhor lhe servir, pois eu não vou me dar ao trabalho de confirmar nem de desmentir qualquer resposta "indignada" ao meu comentário anterior.
Gresder Sil disse…
Isaias voce tá bravinho? Mas voce nem comentou meu comentario! Que foi? Ta cuidando do unbigo dos outros e esqueceu o seu? rsrs
Anônimo disse…
Amigo ISAÍAS,

FAZ UM TEMPINHO QUE ESTOU LENDO OS SEUS COMENTÁRIOS IRADOS, E SEI QUE NÃO É DA MINHA CONTA INERFERIR ...MAS COMO AMIGA, QUERO TE FALAR UMAS PALAVRINHAS...

VOCÊ FICA IRRITADO PORQUE NINGUÉM COMENTA OS SEUS TEXTOS, E FICA IRRITADO QUANDO COMENTAM DE FORMA NÃO ASSIMILANTE AO SEU TEXTO.....

MEU AMIGO, A PIOR COISAQUE PODE ACONTECER, É QUE AS PESSOAS COMECEM A COMENTAR NO SEU BLOG PORQUE SE SENTEM OBRIGADOS....E É ISTO QUE VAI ACONTECER, DE TANTO VOCÊ EXIGIR, ELES VÃO COMEÇAR A COMENTAR PORQUE ESTÃO SE SENTINDO OBRIGADOS A COMENTAR, E NÃO MAIS COMENTARÃO POR GOSTO E PRAZER...NÃO ESTOU FALANDO DE MIM, POIS SEMPRE QUE POSSO COMENTO MESMO NO SEU BLOG, PORQUE ADORO AS SUAS POSTAGENS...

O IMPORTANTE MEU AMIGO, É A AMIZADE QUE PERSISTE...

VEJAMOS....FAZ QUASE 3 DIAS QUE POSTEI MEU NOVO TEXTO E SÓ TENHO O COMENTÁRIO DO DUDU...

JÁ TENHO 3 ÚLTIMAS POSTAGENS, SOMENTE COM O COMENTÁRIO DO DUDU E O SEU...

OS CONFRATERNOS TAMBÉM NÃO ANDAM VISITANDO A MINHA SALA, COMO EU GOSTARIA...MAS AMIGO, O SIMPLES FATO DE EU SABER QUE ELES ESTÃO POR AQUI, PELA BLOGOSFERA, ISTO PRA MIM É SATISFATÓRIO...

POIS SE UM DIA EU PERDER O CONTATO COM UM DE VOCÊS, ISTO SIM SERÁ TRISTE...COMPLICADO, PORQUE ADQUIRI MUITO CARINHO POR VOCÊS, E DESDE O DIA 14 DE JANEIRO, QUANDO CRIEI O MEU BLOG, VOCÊS COMEÇARAM A FAZER PARTE DA MINHA VIDA....

QUANDO ENTRO NA BLOGOSFERA, SE NÃO VEJO O COMENTÁRIO DE ALGUM CONFRATERNO POR AQUI, OU NO MEU BLOG, EU DOU UMA PASSADA NO BLOG DELES, NOS BLOGS DOS OUTROS...E SE VEJO UM COMENTÁRIO DELES, EU ME SINTO FELIZ, FELIZ EM SABER QUE ELES ESTÃO POR AQUI...

EU NÃO PRECISO DE COMENTÁRIO, EU PRECISO DE AMIZADE, RESPEITO, COMPANHEIRISMO...E ACIMA DE TUDO, EU PRECISO DA CERTEZA, QUE SE UM DIA EU PRECISAR MUITO DE ALGUÉM PARA DESABAFAR UM PROBLEMA E ME ACONSELHAR....EU PODEREI CONTAR COM ALGUM DE VOCÊS....

ESTE É O SEGREDO QUE CIRCUNDA A CONFRARIA....A AMIZADE VIRTUAL, MAS REAL TAMBÉM E VERDADEIRA.

BEIJOS. TENHO MUITAS CONSIDERAÇÕES POR VOCÊ...MAS FALEI ISTO AQUI MESMO, PORQUE VI QUE VOCÊ TAMBÉM NÃO REPLICOU O MEU COMENTÁRIO, O QUE NÃO DEIXA DE SER UMA ATITUDE DE "BIRRINHA"...
Levi Bronzeado disse…
Prezados confraternos

As visitas a essa sala e aos nossos blogs têm diminuido sensivelmente,creio eu, devido as atenções voltadas para a COPA, que se estenderá até o dia 11 de julho.

Tenham paciência, que após esse evento futebolístico, tudo se normalizará.
Eduardo Medeiros disse…
Isa,...hummmm, bem, não vou entrar nessas coisinhas.

Veja a sua frase:

"Mas a razão principal de Paulo e não Pedro ter sido o grande teólogo do Cristianismo(?) não foi exatamente o fato de o primeiro ter sido um Doutor da Lei, enquanto o último um pescador?..."

Pode ter sido de fato, a diferença cultural. Mas aí é que está a questão. Os ensinos de Jesus nos evangelhos não chegam nem perto do que Paulo escreveu. Será que Paulo falsificou a mensagem de Jesus?

Por outro lado, os evangelhos foram escritos não pelos pessoas que os nomeiam (visto que os discípulos de Jesus e o próprio Jesus falavam aramaico e não grego), mas quando foram escritos em grego, ao que parece, nenhum deles levou em consideração a teologia de Paulo que já estava em voga.

Estou com dois livros que fazem uma crítica e uma defesa a Paulo, assim que os ler, vou escrever alguma coisa sobre. Por hora, fica a questão: O que de fato Jesus ensinou e o que foi falseado depois?

A sua pergunta:

"E por que O Filho do Homem desaparece definitivamente após os Evangelhos? Por que não são reproduzidas as suas falas nas famosas epístolas paulinas ou de outros apóstolos?"

reforçam também a minha pergunta. Mas lembrando que as principais epístolas de Paulo foram escritas antes dos evangelhos.

Será que foram os evangelhos que falsearam Jesus? Será que o "Jesus de Paulo" é o Jesus mais original?

...
Hubner Braz disse…
Eu também quero me manifestar,

ISA, você não comentou o meu comentário, que feioOoOo! Só porque não fui "totalmente" contra.

O seu post está ótimo, escreveste o que realmente acontece com alguns... "Porque não devemos generalizar" que falei tá falado, doe a quem doe.

Abraços amigão.
Anônimo disse…
É... parece que o politicamente correto chegou até aos desengaiolados... Não pode nem reclamar da falta de participação de alguém que o cara já é taxado de "birrento", "bravinho" e etc. Tá bom, gente, "nada como um post após o outro"...
Anônimo disse…
QUERIDOS CONFRATERNOS,

ESTOU AQUI PARA REVELAR A VERDADEIRA IDENTIDADE DO HIPÓCRITA DO TAL THIAGO...

APÓS ANÁLISES FEITAS PELO EDSON, E APÓS FAZERMOS ESTE FICTÍCIO CAIR NUMA "ARMADILHA"...CONSTATAMOS QUE O THIAGO É O HUBNER!

HUBNER, NÃO TEM MAIS ARGUMENTOS...ASSUMA QUE FOI VOCÊ O CRIADOR DESTE CONFLITO.

VAI FICAR MAIS BONITO E MAIS DIGNO DA SUA PARTE.

BEIJOS.
Anônimo disse…
SAUDAÇÕES DO EDSON, PARA OS CONFRATERNOS....

LEMBRANDO QUE O MESMO NÃO COMENTARÁ MAIS NESTA SALA...E PEDE DESCULPAS PELO EMBARAÇO.

BOA SORTE A TODOS.
Gabriel Nagib disse…
Isa, como podem tantos ler os evangelhos, e após isto, o livro de Atos e as cartas de Paulo, e não perceber a diferença de ensinamentos?

Paulo foi um bosta, fariseu de carterinha, que resolveu mudar de time e ter sua própria religião. Os apóstolos oficiais foram fracos e se deixaram dominar pela novidade.

Se o personagem Jesus não é uma construção completa, uma fala sua considero emblemática, na que ele diz que logo após sua morte dertupariam sua mensagem. Não deu outra! Mal o morto apodrecia e já estavam inventando regras, hierarquias, limites, leis.

Foi lendo um livro sobre Roma no primeiro século que eu percebi que Paulo era um farsante. Suas falas mais louvadas e seguidas sobre moral, hierarquia, posição da mulher são cópias da filosofia da época, faziam parte da utopia romana, por assim dizer. Suas opiniões sobre o casamento, trabalho, escravidão, se baseiam no direito romano.

O livro de Atos é uma tristeza só. Mostra como a coisa, que parecia ser algum movimento revolucionario interessante, desandou completamente, ocorrendo até catarses coletivas (o pentecostes), nomeação de novos apóstolos (sem motivo algum), o primeiro concílio (de uma imbecilidade ímpar, que já era um precursor de como seriam todas as discussões teológicas dos séculos seguintes, ou seja, mais idiotas ainda), além de claras invenções (simulacros da vida do Cristo, imitações de milagres etc),

Quanto ao personagem, Jesus, há algumas coisas nele que me parecem itneressantes. Mas não considero todas suas mensagens sábias não. Como ele achava que ia reinar, ou voltar para reinar, ou ressucitar (ou aquela história da farsa que inventei), suas mensagens beiram a idiotice em certos momentos, e não devem ser levadas ao pé da letra. O sermão do monte pode ser bonito, mas pode produzir uma inércia social, principalmente nos oprimidos.

Ex: "bem aventurados os que choram, por quê serão consolados". Ora, fica chorando a vida toda. Fica lá, se lamuriando pela situação da sua vida, ou do estado, ou do país. O que isso vai adiantar? NADA. Você provavelmente ficará doente por causa da depressão, morrerá triste, e não melhorará nada a sociedade.

Ou ainda: Quando Jesus diz para odiar os pais por amor a ele. Ora, isso é igual paixão de adolescente que foge de casa. Desde quando é sabedoria? Por quê eu tenho que odiar meu pai para amar um cara (e eu não sou gay), ou sua mensagem? Então essa mensagem gera ódio? (bem, isso está provado na história, então de certa forma faz sentido).

Mas há mensagens boas, quando Jesus demonstra a cegueira dos religiosos que se julgavam perfeitos, e eram capazes de deixar alguém morrer por causa de uma lei idiota, ou por causa de algum compromisso religioso, ou apedrejavam pessoas por questões morais.

Também quando ele ensina sobre a solidariedade, sobre amar ao próximo, sobre o perdão, sobre ter sede de justiça, sobre ser capaz de abrir mão de certas coisas pelo próximo. São boas liçoẽs de moral.

Agora, seo quê o Eduardo falou é verdade (sobre o Jesus de Paulo ser o verdadeiro), esse Jesus perde todo meu respeito, e não é digno de nota.
Anônimo disse…
Edu

Ando com mais preguiça ultimamente do que o normal, mas se quiseres indicar estes livros que tu citaste seria uma boa. Um abraço.
Anônimo disse…
Hubner

Às vezes não entendo nada do que tu falas. Talvez seja o Martini que eu bebi (?!) mas eu duvido tudo, pois ele é só "água com açúcar". Abçs...

P. S. Já te avisaram que tu és o tal Thiago? É o que o Edson tá falando.
Anônimo disse…
Paulinha

Acho que não tem nada muito claro nessa história. Eu tenho minhas hipóteses.
Anônimo disse…
Bill

Concordo contigo em gênero número e grau nessa parte:

"Agora, seo quê o Eduardo falou é verdade (sobre o Jesus de Paulo ser o verdadeiro), esse Jesus perde todo meu respeito, e não é digno de nota".

Abraço.
Eduardo Medeiros disse…
Bom, eu sugeri um tema para discussão: O "Jesus de Paulo ser o verdadeiro" - mas eu não concordo com ela.

Bill, você coloca bem suas críticas, mas quanto ao que você disse sobre o sermão do monte ou da planície (conforme mateus ou lucas...) você tem que levar em conta o contexto em que Jesus o proferiu. ISSO É MUITO IMPORTANTE!!! Não dá para tirar os temas do sermão e transportá-lo para hoje sem ver-lhe o contexto original, no qual aí sim, eram muito significativos para quem os ouviam e que vivam num clima "apocalíptico".

Se não nos atermos ao contexto da expectativa do eschaton (final dos tempos) nas mensagens de Jesus caímos em sérias dificuldades e leituras equivocadas. Aliás, leituras equivocadas é o que não falta no meio cristão...

BILL, você está certo em relação à Paulo, o cara era um puxa-sacos do império romano, isto tá claro em seus ensinamentos. Logo, o "Jesus de Paulo" é uma construção sem nenhuma base histórica mas numa experiência que ele diz ter tido com o Jesus que lhe apareceu no caminho de Damasco, coisa altamente subjetiva.

Outra vez chamo a atenção para o fato de os Evangelhos serem escritos pós Paulo e não concordarem com ele, observando que a cena da "última ceia", na verdade, a última páscoa, ter tons claramente cristãos ou seja, tendenciosos para a doutrina da morte vicária defendida por Paulo.

Viu, primo, a discussão tá ficando muito boa rssss
Eduardo Medeiros disse…
Isa, me permita dizer uma palavrinha sobre o "caso tiago":

Isto é uma perda de tempo e energia enormes!!!

PQP, o Edson Nureda que é um cara tão centrado, ponderado e inteligente, fica dando corda a esse evento bestial e desagregador que um tal de tiago promoveu e que estamos caíndo na armadilha...ele é o HUBNER?? E daí?

O tiago pode ser eu como o Edson levantou na sua "listinha de suspeitos"...PQP de novo, quanta perda de energia inútil!!!

Edson, você foi o único culpado por essa besteira que o tiago fez prosperar ao dar a importância que ela não tinha.

Repito: não tinha a essa importância! Não existe nenhum problema em se copiar nada e colar comentários em blogs já que em blog não se pede a compustura acadêmica de quem escreve uma dissertação de mestrado ou de uma tese de doutorado e além disso, quem te conhece um pouco sabe das suas potencialidades.

Seja quem o tiago for ele é um imbecil, idiota, bobinho que pensou que estava fazendo um favor aos teus amigos ao te "desmascarar" mas que não sabia que o tiro podia sair pela culatra de acordo com a tua própria atitude, Edson. Mas do jeito que você está levando a coisa, você está dando a "vitória" para o bobinho. você está ou deveria estar acima disso, meu amigo.

Não vai mais comentar na confraria? Valeu Edson, dê os louros da vitória ao seu algoz.

ISA e aos demais, tinha que deixar registrado minhas impressões sobre isso. Vou colar lá no outro evangelho, já que nureda não vem mais aqui. Pobre de nós, e agora, quem poderá nos salvar sem o nureda ..???????
Levi Bronzeado disse…
EDU, ISAIAS E BILL


Lendo as cartas de Paulo é impossível não notar que elas estão contaminadas com o ranço legalista do ex-fariseu Saulo. Ele Mudou de vestimenta, mas o radicalismo permaneceu latente dentro dele.

Dizem alguns, que Paulo fez renascer o legalismo eclesiástico, ao sepultar o espírito das boas novas pregadas por Cristo.

No livro "A Última Tentação de Cristo", do grego Nikos Kazantizakis, tem um trecho mostrando um Cristo agonizante na cruz.
Num estado de coma, Cristo tem uma triste visão do que seria o futuro do cristianismo: ao ver Paulo desfazendo tudo que ele pregou ou ensinou, cheio de revolta dispara:
"Mentiroooooooso!!!".

Transportando para os dias atuais o que Paulo escreveu, o Twitter, com certeza, expandiria para o mundo inteiro esse slogan:

"CALA A BOCA PAULO!" - em analogia ao "Cala a boca Galvão!" (rsrsrs)
Hubner Braz disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Hubner Braz disse…
ISA,

Há um cançasso antigo em minha alma que me persegue há séculos.
Tento dribla-lo, confundí-lo, exortá-lo, mas sempre volta.
De tempos em tempos nos reencontramos e nossos papos sobre os humanos exigem de mim um esforço sobre-humano.

Esgota-me ver a hipocrisia e a falsidade da lógica infundada daqueles que teimam em expor o que não pensam.
Esgota-me ouvir balelas, invencionices, blas blas blas metódicos ou teológicos.
Esgota-me conviver com o absurdo, com a fantasia ou com mentiras, e o pior é que nunca consigo me ver longe disso.

Chego a conclusão que o mundo é uma grande teia tecida e gosmenta onde somos grudados a valores errados dos quais não conseguimos nos soltar.

Sei , sei... parece demais, exagero, bobeira....mas você que me lê ISA e que gosta de liberdade vai me dar razão, logo, você que prefere a Graça e que insiste em acertar , certamente sabe do que falo.
Falo da obrigação em conviver - e muitas e muitas vezes ter que engolir - com absurdos humanos e espirituais.

Não bastasse eu ter que ver esses pseudo-homens de Deus usarem o Nome Santo do Senhor dessa maneira profana e em vão, e abrirem templos como se fossem bares para bêbados, não bastasse eu ver o evangelho sendo torcido, manipulado e pior, desacreditado em sua essência, não bastasse isso tudo que já não é pouco, o que mais me esgota é ver os inocentes caminhando atrás de lobos devoradores intitulados e credenciados após-tolos ou pastores do nada.

Sinto que grito e não sou ouvido.
Vejo que falo e não me escutam.
Sinto que digo, e não me entendem.
Vejo que mostro, e não enxergam.

Então me canso...e exausta volto novamente aos braços do Pai,.... e envergonhado digo: to cansado Pai...e adormeço na esperança de acordar renovado em minhas forças e ter novamente meus dedos adestrados para a peleja e minha mente restaurada na força do Senhor.

Precisamos lutar contra a falsa palavra, o falso evangelho e decretar, viver, testemunhar e transmitir o Verdadeiro, Único, Irresistível, Revolucionário, Magnífico e Libertador Salvador Cristo Jesus.
Hubner Braz disse…
ISAIAS,

Enguanto ao cometário do EDSON, já comentei a minha indignação sobre o "mesmo".

E agora ando como ovelha muda ao matadouro!!!
Anônimo disse…
Edu

Pois é, Edu, mas quando é que foi pintada "a cena da 'última ceia', na verdade, a última páscoa, com tons claramente cristãos ou seja, tendenciosos para a doutrina da morte vicária defendida por Paulo"? Não foi séculos depois de Paulo, ou seja, quando a doutrina paulina já estava tão difundida ao ponto de se passar pelo Cristianismo propriamente dito?

Quanto ao Edson, já dei a minha opinião sobre o caso lá no blog dele. E cada um aqui é adulto e (decerto) sabe o que faz.
Anônimo disse…
Levi

Sim, desde que saí da minha antiga denominação (CCB) pela primeira vez, comecei a sentir um desconforto com as doutrinas do Paulo devido às suas difeenças com o que se registra das palavras do Jesus nos evangelhos. é bem possível que Paulo tenha fundado a sua própria religião com base nos feitos e nos seguidores de Jesus.

Agora essa do "Cala boca Paulo" foi genial. Deverias escrever um post sobre isso.
Anônimo disse…
Realmente não entendo teus comentário, Hubner. xD.
Eduardo Medeiros disse…
Levi,

interessante esta cena desse filme que eu nunca vi mas não deixa de ter sentido. Eu tenho muitas críticas a Paulo mas uma coisa precisamos concordar: o cara foi um gênio da teologia, da metafísica. Eu creio que Paulo foi influenciado pela doutrina gnóstica, já que ele quase nunca fala do Jesus humano e fala muito do Cristo glorificado, espiritual.
Anônimo disse…
Mim não gostar gênios desse tipo...
Eduardo Medeiros disse…
Isa, a cena da "última ceia" (páscoa judaica na verdade) não foi escrita "séculos" depois e sim mais ou menos 45 anos depois da morte de Jesus e depois que Paulo escreveu suas principais cartas. Mas também não podemos esquecer que os Evangelhos foram escritos já a partir de um entendimento "cristão" ainda que não, "cristão" como Paulo era "cristão", entendeu?
Eduardo Medeiros disse…
Isa, tudo bem, mas o cara foi um gênio e morreu pelo que acreditava, temos que dá o valor que Paulo merece ter. E sabe de uma coisa? Se não fosse ele é bem provável que nunca teríamos ouvido falar de um tal Jesus, já que os primeiros seguidores de Jesus eram todos judeus e provavelmente, eles seriam hoje uma seita dentro do judaísmo se é que ainda existiriam.
Eduardo Medeiros disse…
Isa, os dois livros que eu falei são:

Paulo, biografia crítica. Jerome Murphy-O'Connor. Ed Loyola.

Libertando Paulo: a justiça de Deus e a Política do apóstolo, Neil Elliott. Ed. Paulus.

O segundo livro é bem interessante já que é uma defesa de Paulo que segundo o autor, foi muitas vezes mal interpretado e usado para justificar a escravidão, a violência contra a mulher, judeus, homossexuais, por exemplo. Parece muito interessante, mas tá na fila para ser lido e vou demorar um pouco para lê-lo.
Eduardo Medeiros disse…
Hubner:

Tenho que concardar com o Isa, teus comentários às vezes são impenetráveis...

"Esgota-me ver a hipocrisia e a falsidade da lógica infundada daqueles que teimam em expor o que não pensam..."

"num intindi" o que você quis dizer...
Anônimo disse…
Verdade, um cara que se deixa apedrejar praticamente até à morte pelo que acreditava tem seu valor, e eu o respeito enquanto ser humano e até admiro a sua coragem. Também concordo em que possivelmente o Jesus descrito nos quatro evangelhos talvez não tivesse chegado até nós não fosse o auxílio de Paulo.

E valeu pela dica dos livros e pelos esclarecimentos.
disse…
Hb 6:1-3
“Por isso, pondo de parte os princípios elementares da doutrina de Cristo, deixemo-nos levar para o que é perfeito, não lançando, de novo, a base do arrependimento de obras mortas e da fé em Deus.

Jejuns e abstinência, são rudimentos de obras mortas, eu não jejuo!
Anônimo disse…
Mas, aí temos outra "enrascada filosófica" ou ética, sei lá: o mérito de alguém por defender sinceramente suas causas é maior do que o fato de ele defender uma causa errada ou enganosa?
Anônimo disse…


Eu também não jejuo (a não ser quando tô de regime). Beijos.
Eduardo Medeiros disse…
"concardar" rsssss leia-se "Concordar"
Eduardo Medeiros disse…
Isa, aí é que tá: A verdade é que os Evangelhos também não são um retrato fidedigno do homem Jesus mas escritos de fé do que os cristãos criam que ele fosse. Isso acontece porque os Evangelhos não são biografias como hoje é entendido o termo. Eles não são imparciais, entende? São documentos de certa forma históricos mas são principalmente documentos de fé.

A verdade é que fora Paulo e os Evangelhos, ninguém no mundo antigo que não fosse cristão escreveu nada sobre Jesus. Porque será? Será por que ele na geopolítica do império romano não foi nada relevante?

Seria muito bom se por exemplo, um escritor romano tivesse escrito a vida de Jesus de um ponto de vista de um romano mas ninguém fez isso. Jesus só ficou sendo conhecido no império romano através de Paulo.

Aí é que tá...aliás, "AíÉqueTá" era o nome do jornalzinho transgressor que eu escrevia nos tempos de seminário..haaaaaaa

Heim?????
Anônimo disse…
É fods mesmo... caraca, hehe...

Sabes que quando eu sai da CCB eu cheguei a ficar bem desiludido porque lendo alguns livros de ateus e comunas sobre religião eu percebi que tudo o que está na Bíblia não tem a mínima garantia de ser "real", ou de corresponder àquilo que nós achamos que é nos dias de hoje.

Mas, meu caro primo erudito, isso é diferente nas demais grandes religiões do mundo? Heim?????
Eduardo Medeiros disse…
Diferente? Evidente que não. Aliás, Jesus é o "fundador de religião" (ainda que não seja) mais "documentado" que existe.

Para ser 100 % correto, existem algumas poucas referências de Jesus em Josefo mas são passagens discutíveis. No Talmude também se fala de um Jesus que seria mágico e que foi condenado à morte.

Mas eu digo de uma biografia mesmo extra-bíblica, esta, infelizmente, não temos e as que temos, não são biografias.

Devo também dizer que os conservadores cristãos possui até alguns bons argumentos em defesa de tudo o que estamos aqui discutindo, mas estão baseados principalmente em teses teológicas e de fé.

Erudito, eu? Recebo esta profecia para um futuro distante que talvez se realize na galáxia de Zius!!!
Anônimo disse…
Haha, tá bom, modesto...
Marcio Alves disse…
Caras meu!!! Será que demorei tanto assim para aparecer na confraria???
O Duzinho me ultrapassou nos comentários???
Mas como???
Eu tinha uns 300....e agora só tenho 178???!!!

Esse gadgets deve estar louquinho da vida mesmo viu...não aguentou a tantos comentários meus e pifou!!! Hahahahahahaha
Guiomar Barba disse…
Levi amigo, Fiquei corada kkkkkkkkk

Me sinto tão pequena diante da inteligência de vocês.

Obrigada Levi, estou aqui com muito interesse de aprender mais e de contribuir com o pouco que tenho. Oro por vocês constantemente, porque creio no poder da oração e no amor que Deus tem por cada um de nós. Na verdade tenho amado vocês como se os conhecesse pessoalmente.
Um beijão pra você.
Hubner Braz disse…
ISA,

Você deve está cego ou o que? Você não viu o reconhecimento da autoria da postagem no meu Blog.

Ela está no final do post, é só prestar mais atenção... E só coloquei lá porque a Alice autorizou.

Brincadeira em amigão...
Hubner Braz disse…
Quem será o desigrejado que postará amanhã??? ehn!!!
Anônimo disse…
Colocar o nome da pessoa não basta, tem que colocar o link (clicável) exatamente para a postagem no blog da autora e ainda o nome dela em destaque, em cima, e não lá embaixo, camuflado. Duvido que alguém tenha notado antes que o texto não era teu, e sim da Alice.
Hubner Braz disse…
Vou seguir as suas recomendações Isa. Colocarei lá o link.

E fique sabendo que tenho acompanhado as conversas suas com o Edson no blog.
Hubner Braz disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Hubner Braz disse…
Descupe ISA, mas...

Edson, Noreda ou (...) sei lá o nome da terceira pessoa em um.

Não sou o Tiago e nunca serei ele. Se você quer continuar com esse joguinho... que continue... Se quiser me excluir... Me exclua. Se quiser me esquecer, esqueça-me... Se quiser me bater, Bata... Se quiser me julgar, julgue... Se quiser me matar, mate-me.

Infelizmente, tenho que afirmar, você não tem fibra suficiênte para aguentar um fudamentalista em desconstrução. E ainda inventa esse tal de Tiago para me apunhalar.

Aproveite bem... pois, realmente estou triste pela atitude errônea e desnecessaria que está acontecendo. Martirize-me.

Agora sei o motivo do Ednelson ter aquela decisão.
Eduardo Medeiros disse…
Isa, a bem da verdade, o caso do texto do Hub não prova que ele é o tiago. A não ser que as provas do Edson sejam incontestáveis. Deixei um longo comentário lá no blog do Hub, vai lá.
Hubner Braz disse…
Senhores, Mandei o email pra todos os confraternos sobre este caso "tiago" e outros casos também.

Vou trabalhar, Abraços a todos!!!
Anônimo disse…
Edu, eu decidi não me pronunciar mais publicamente a respeito desse assunto. Mas li teus comentários - como sempre muito lúcidos - e concordo com eles. Dê-se tempo ao tempo...

E Hubner, eu não recebi qualquer email da tua parte até o momento. Meu email é poucoalem@ymail.com
Hubner Braz disse…
ISA,

Mandei o email agora pra ti neste endereço.

Thanks
Carlos Seino disse…
Particularmente, entendo ser meio falacioso dizer que Paulo se diferenciou tanto assim de Jesus, até mesmo porque, os textos, de modo geral, são mais antigos que os evangelhos, e, se houver realmente uma mentalidade paulina na Igreja, essa ajudou e contribuiu para termos o que temos hoje no que diz respeito à Jesus de Nazaré. Os "livre pensadores", de modo geral, selecionam textos de Jesus dos quais gostam, mas ignoram outros, principalmente aqueles que remetem à uma proto-institucionalização do grupo que o seguiria, em minha opinião.
Só agora vi esse texto Isaias, muito bacana, contundente, provocativo.

Realmente o Evangelho do Cristo Inclusivo não tem nada a ver com essa monstrificação criada pelo cristandade anti-cristo.

Só uma dúvida:Vc é irmão do Edu Medeiros?

Um abraço,

Franklin
Elizeu Rodrigues disse…
e passados quase 5 anos da publicaçao deste excelente texto os chamados "desigrejados" aumentaram em ordem exponencial, onde eu também me incluo entre eles. Ser mais um religioso? O mundo está cheio de religiosos, lotado. O que importa é viver de uma maneira digna e sóbria em meio a essa cultura cristã versus cristo onde eu nasci, cresci e hoje consegui me libertar e enxergar um pouco além do véu, um pouco além do horizonte religioso. Entenda o CRISTO e busque viver o que ele ensina